Número total de visualizações de página

domingo, 7 de dezembro de 2008

PEGADAS

 
Posted by Picasa


Pegadas
Registos de quem passa
Na marca pessoal
Onde o SER se revela
Espalhadas na reia fina
Em jeito de passarela
Deixando que "ele" as apage
Se no seu vaivém
Se revolta e as engole

Pegadas
Por aqui...
Por ali...
Juntas ou separadas
Solitárias
Acompanhadas

Serão apenas pegadas
Vestigios da passagem
Daqueles que caminham
Ao longo da tua margem

Sente-se que o chão
Feito de solto grão
Se liberta e foge
No peso de as sentir
Faz a esperança ressurgir
A cada passo descoberto
Sigo as pegadas do destino
Procurando o rumo certo

Pegadas marcadas
Vincadas
São vivas
Silênciosas
Repetidas
Pensamentos ocultos
Palavras escondidas

Pegadas
Segredos do coração
Que as mesmas percorrem
No acerto do passo
Á procura do porquê
Num percurso solitário
Em jeito de pergunta
Onde pára a RAZÃO?!

2 comentários:

Delírios e Fantasias disse...

Todos percorremos um caminho seja ele longo ou curto, deixamos marcas suficientes ou profundas conforme a nossa vivência ou experiência de vida, marcas na família pela educação, pelos conhecimentos que transmitimos, pelo exemplo que damos, pela imagem que reflectimos, pelo contributo que prestamos à sociedade com que vivemos.
São as nossas pegadas…
Há quem deixe pegadas superficiais que há mais pequena brisa se tornam indecifráveis. E há aqueles e aquelas que deixam recalcos profundos, pegadas bem vincadas, tu és uma dessas pessoas que consegue ver a beleza da vida inserida em pequenas coisas, como a poeira do tempo ou a tempestade da vida, sentir a beleza no cheiro do orvalho da manhã, no cantar dos passarinhos, na agitação do mar, numa ave que espreita, numa nuvem que dança ou brisa que sopra, obrigada por partilhares a tua visão.
Beijinhos

Poeta do Penedo disse...

hoje deixaste uma pegada na minha alma. Embora o soubesse, não o sabia com a dimensão que hoje, por instantes, electrizou os meus sentidos. Despiste-te à minha frente e eu fiquei em extâse. Sim, despiste-te, pois se existiam algumas defesas em ti, elas sucumbiram. Por instantes a mulher forte caiu, e surgiu a frágil mulher, a poetisa, a pintora, uma doçura cândida.
Sim, na areia de mim, hoje deixaste uma pégada.

Um enorme abraço